sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Hoje tomou posse , como o 45º presidente dos USA , Donald J. Trump.

Vi , pela CNN , a tomada de posse - The Inauguration Day - (sem os comentários idiotas dos especialistas da treta , que por cá proliferam ) , e senti-me um pouco americano . Certamente não me aconteceu só a mim. Muitas outras pessoas por esse mundo fora devem ter sentido o mesmo. É inevitável ! Os «gringos» compõem uma grande nação , gostemos ou não gostemos

Para além de outros dignitários , pelo menos seis representantes de outros tantos credos religiosos , estiveram presentes na cerimónia e fizeram ouvir as suas palavras . Achei curioso ! Não será por falta de mensagens para o Além ou do Além , que esta Administração falhará.

Saliento duas frases do discurso de Trump  : "the time for empty talk is over . Is time for action" - contra os governantes que prometem , prometem mas nada fazem e "you'll be never ignore again" - referindo-se aos cidadãos mais desfavorecidos . Sem serem frases da mais fina retórica política , pareceram-me bastante razoáveis. E houve outras , igualmente sensatas .

Diga-se que nunca tinha ouvido , integralmente , um discurso de Trump ou de um outro qualquer presidente americano. Nunca calhou! Já ouvi excertos de muitos mas , na íntegra , nunca tinha ouvido nenhum. Este , que ouvi há pouco , e que , com toda a certeza , será rotulado de populista e proteccionista  , entre outras coisas , não me assustou , não me espantou , não me desagradou.Se eu fosse americano era muito provável que o tivesse aplaudido .

Foi um discurso mais virado para dentro , para os americanos , do que para o exterior . E é isso que faz sentido ! Afinal o homem foi eleito presidente dos EUA e não presidente do mundo .
No entanto houve ainda lugar para palavras para todos os outros países. Nomeadamente quando se referiu ao estado islâmico e afirmou que o combaterá sem tréguas , até que desapareça do planeta. Isso seguramente significará  mais guerra e , com toda a certeza , aumentará o perigo de mais terrorismo , mas o que fazer quando se quer acabar com fanatismos loucos ?!  Este será sempre o preço a pagar por uma eventual maior segurança no mundo e não creio que um outro qualquer presidente da América que tivesse sido eleito por estes dias , dissesse coisa diferente.

De resto , e muito resumidamente , anunciou , ou reiterou , o compromisso de uma intransigente defesa dos interesses dos Estados Unidos da América e dos seus cidadãos , principalmente daqueles mais pobres e marginalizados , querendo dar ou proteger - lhes os empregos ( populismo?!...) . Frisou , repetidamente , que os empregos têm que ser dos americanos , qualquer que seja a sua confissão , cor ou género ( proteccionismo?! ... ) . Não obstante as dúvidas que se levantam no que diz respeito ao comércio internacional e ao seu futuro próximo , dado o peso dos EEUU no mundo , as palavras do novo presidente americano voltaram a parecer - me  muito razoáveis e lógicas. Afinal qual o governante que não promete coisa semelhante aos seus eleitores ?!

Dito isto , não sei ! Não sei o que vai ser o futuro nem que América vamos ter e que papel vai doravante desempenhar nesta grande confusão em que nos encontramos. Mas tudo o que foi dito , mesmo o ataque feito às elites de Washington , me pareceu muito , muito razoável. Talvez seja ingénuo e mal informado . Pode também ficar a dever - se ao facto de não ser muito bom a inglês e ter percebido tudo mal. Não sei ! Vamos esperar e ver. Sem dramas nem exacerbadas excitações.