sábado, 21 de janeiro de 2017

São cinco e pouco desta tarde fria de Janeiro e só a música de Stephen Warbeck ("Proof","Shakespeare in love", ... ) me aquece o coração. Os cigarros também , claro ; além do coração aquecem igualmente os pulmões.

Não tenho andado muito feliz nestes últimos tempos e a música é um bom refúgio para os desencontrados do amor e para os desesperançados no futuro , como eu me sinto agora.

Não chega totalmente a preencher o vazio que a não fortuna cava dentro de nós mas é um paliativo tão maravilhoso que quase nos faz esquecer a verdadeira causa de toda a nossa dor e desespero.

Gostaria de não perder nunca o sentido de humor mas o que verifico é que à medida que o tempo passa tenho menos vontade de rir de mim próprio.